Brasil e outros 15 assinam declaração em que classificam eleições venezuelanas como “fraude”

O Ministério das Relações Exteriores divulgou nesta 2ª feira (7.dez.2020) uma declaração assinada por um grupo de países que classificam as eleições realizadas nesse domingo (6) na Venezuela como “fraudulentas”. Para o Brasil e os outros países que endossaram o texto, o pleito foi marcado pela falta de “legalidade e legitimidade”.

“[As eleições] Foram realizadas sem as garantias mínimas de um processo democrático, de liberdade, segurança e transparência, e sem integridade dos votos, participação de todas as forças políticas ou observação internacional”, declarou o grupo formado por Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Santa Lúcia.

Apoiadores do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, voltaram a ser maioria na Assembleia Nacional do país depois do pleito, marcado pelo boicote de partidos da oposição. A taxa de abstenção foi alta.

De acordo com o Observatório Contra a Fraude, 80% dos eleitores não votaram. O órgão é vinculado à atual Assembleia Nacional, de maioria opositora e presidida por Juan Guaidó, que também se autoproclama presidente da Venezuela. Segundo o governo venezuelano, a abstenção foi de 69%.

O grupo de signatários da declaração ainda chamou a comunidade internacional a “se unir na rejeição a essas eleições fraudulentas e a apoiar os esforços para a recuperação da democracia, do respeito pelos direitos humanos e do Estado de Direito na Venezuela”.

O ministro das Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, havia se manifestado no Twitter antes da divulgação da nota. “O povo venezuelano rejeitou a farsa eleitoral”. “Com baixíssima participação, [a população venezuelana] mostrou que as eleições legislativas não representam sua vontade”, escreveu no Twitter.

O regime de Maduro promoveu hoje “eleições parlamentares” na Venezuela para tentar legitimar-se. Só se legitimará aos olhos daqueles que apreciam ou toleram a ditadura e o crime organizado, o grande complexo criminoso-político do Foro de São Paulo ou “Socialismo do Século XXI”.
— Ernesto Araújo (@ernestofaraujo)
December 7, 2020

LEIA A ÍNTEGRA DA DECLARAÇÃO DIVULGADA PELO MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES:

Os signatários (*), um grupo de países interessados na crise multidimensional que afeta a Venezuela, incluindo membros do Grupo de Lima e outros países comprometidos em apoiar o retorno da democracia, declaram o seguinte:

1. Reiteramos que as eleições de 6 de dezembro para renovação da Assembleia Nacional da Venezuela, organizadas pelo regime ilegítimo de Nicolás Maduro, carecem de legalidade e legitimidade pois foram realizadas sem as garantias mínimas de um processo democrático, de liberdade, segurança e transparência, e sem integridade dos votos, participação de todas as forças políticas ou observação internacional.

2. Exortamos a comunidade internacional a se unir na rejeição a essas eleições fraudulentas e a apoiar os esforços para a recuperação da democracia, do respeito pelos direitos humanos e do Estado de Direito na Venezuela.

3. Exortamos os atores de toda a Venezuela, de todas as tendências ideológicas e filiações partidárias, a colocarem os interesses do país acima de tudo e a se comprometerem urgentemente com um processo de transição, definido e impulsionado pelos venezuelanos, de modo a encontrar uma solução pacífica e constitucional que leve o país a eleições presidenciais e parlamentares livres, justas e críveis o mais rapidamente possível.

(*) Países signatários: Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica Equador, El Salvador, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Santa Lúcia.

Envie sua sugestão de pauta para o Blog

Conversar no WhatsApp

#DitaduraVenezuelana #NicolásMaduro #Eleições2020 #CrisenaVenezuela #RelaçõesInternacionais

Comente este post