Com Pazuello na degola, Hiran Gonçalves volta a ser cogitado entre possíveis substitutos

A saída de Eduardo Pazuello do Ministério da Saúde, dada como certa por O GLOBO e o Antagonista, foi provocada pressão do bloco partidário chamado de Centrão como moeda de troca para não abrir a CPI da Covid. O objetivo é tentar emplacar um nome indicado por um dos partidos desse grupo.

O presidente Jair Bolsonaro estaria disposto a entregar o MS a Ricardo Barros, que já comandou a pasta durante o governo Temer. Mas o progressista não parece disposto a encarar a missão de ter que descascar esse abacaxi num cenário de epidemia crescente de Covid19.

O nome do deputado federal Hiran Gonçalves (PP-RR) segue sendo citado como uma das opções à disposição de Bolsonaro. Outros possíveis candidatos ao cargos são o deputado federal Dr. Luizinho (PPR-RJ) e a cardiologista Ludhmila Haijar.

O desgaste de Pazuello desagradou a ala militar que apoia Bolsonaro, pois as Forças Armadas tiveram sua imagem desgastada por conta do descontrole da pandemia, com um general no comando do Ministério da Saúde.

Leia a matéria completa em O Antagonista

Comente este post