Coopebras era feudo familiar. Vice-presidente recebia 12 vezes mais do que presidente

Foram convidados a depor o vice-presidente da cooperativa, Edvaldo Pereira Vieira, e o irmão e gerente operacional da Coopebras,

O vice-presidente da Coopebras (Cooperativa Brasileira e Múltiplos Serviços Médicos) Edivaldo Pereira se reservou a não responder o motivo pelo qual o salário pago a ele pela cooperativa, de R$ 120 mil por mês, é 12 vezes mais do que o vencimento do diretor-presidente. As informações foram indagadas pelos membros da CPI da Saúde (Comissão Parlamentar de Inquérito) em oitiva nesta terça-feira (4), no plenário Noêmia Bastos Amazonas.

Foram convidados a depor o vice-presidente da cooperativa, Edvaldo Pereira Vieira, e o irmão e gerente operacional da Coopebras, Edilson Pereira Vieira, em mais de quatro horas de duração. A presença dos dois foi requerida pelo vice-presidente da CPI da Saúde, deputado Nilton Sindpol (Patri) após denúncias de que a cooperativa se beneficiaria há anos com recursos públicos destinados a pagamento de profissionais da saúde e, inclusive, a realização dos chamados “plantões fantasmas” pagos sem a devida execução dos serviços.

O primeiro a ser ouvido pela comissão foi Edivaldo Pereira Vieira. Entre os questionamentos feitos pelo deputado Nilton Sindpol foi em relação à condução da cooperativa pelo vice-presidente e não pelo diretor-presidente, primeira figura na hierarquia da empresa. “Eu não tenho mais poder, simplesmente trabalhava mais do que os outros”, defendeu.

Contudo, Edivaldo preferiu não responder o que justificaria o salário pago a ele ser de R$ 120 mil, enquanto do diretor-presidente estaria entre R$ 8 a R$ 10 mil. De acordo com o presidente da CPI, deputado Coronel Chagas (PRTB), após leitura do estatuto da Coopebras, a figura do diretor-presidente seria “meramente decorativa”.

“Foi uma decisão do vice-presidente se autoremunerar?”, questionou Coronel Chagas. “Não vou responder porque é algo interno da Coopebras”, respondeu Edvaldo. Chagas insistiu. “Esse valor do seu salário de R$ 120 mil bruto, feito a partir do cálculo do número de cooperados, teve deliberação em alguma Assembleia?”. “Isso é uma coisa interna, a diretoria sabe, não vou responder sobre isso”, calou-se Edivaldo.

Outro ponto que chamou a atenção da CPI da Saúde foi quanto a transferências vultosas das contas da Coopebras para contas de empresas e da Fazenda Esmeralda, de propriedade do próprio Edivaldo Pereira, que negou as informações e disse ainda que parte dessas transferências foram para evitar bloqueios e/ou são resultados de contratos diretos com a Sesau (Secretaria Estadual de Saúde).

A elaboração das escalas médicas foi ponto de indagação dos parlamentares. A intenção era confrontar as informações obtidas nos processos. Conforme Edivaldo, a escala era elaborada pelas unidades hospitalares conforme demanda/necessidade da instituição.

Na reunião da CPI ocorrida no dia 27 de abril, com a presença do ex-diretor-presidente Jorrimar Viana, falou-se sobre a “moeda” de pagamento aos profissionais médicos entre a secretaria e a cooperativa. Edivaldo explicou que todos os médicos receberam pelos plantões efetuados e não era visto como moeda de troca.

Além disso, a deputada Lenir Rodrigues (Cidadania) perguntou como funcionava o pagamento feito por procedimentos em forma de plantão. “Esse procedimento começou com o doutor Kalil porque teve o mutirão de cirurgias”.

Frequência era no caderno

O controle da frequência feita nos plantões médicos nas unidades de saúde era feito em caderno, disse o gerente operacional da Coopebras, Edilson Vieira. O depoimento causou espanto e estranheza nos membros da CPI da Saúde. “Os cooperativados não podem bater ponto”, justificou o depoente.

Coronel Chagas ressaltou que em diligência nas unidades de Saúde foram encontrados cadernos com a semana toda assinada. “Esse controle é um problema, é muito fácil um assinar para outro”, frisou o parlamentar. O atesto nas frequências, disse Edilson, partiam dos coordenadores juntamente com a cooperativa, sem citar nomes.

Munidos de documentos, Edilson apresentou a CPI da Saúde relatórios de cirurgias feitas em 2015 no mutirão denominado Caravana do Povo o que justificaria o pagamento de médicos profissionais de várias especialidades.

A reunião contou com a presença dos deputados Coronel Chagas – presidente; Nilton Sindpol – vice-presidente; Jorge Everton – relator; Lenir Rodrigues; Éder Lourinho (PTC) e Renato Silva (Republicanos); além de Evangelista Siqueira (PT) que participou de maneira virtual. O conteúdo da CPI da Saúde está disponível nas redes sociais da Assembleia Legislativa de Roraima (@assembleiarr).

Com informações da Assembleia Legislativa de Roraima

Está gostando do nosso conteúdo? Compartilhe nas suas redes!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
LUIZ VALÉRIO
LUIZ VALÉRIO

Jornalista e Podcaster. Este Blog, que edito há 18 anos, é uma singela contribuição para a sociedade. É uma espécie de "jornal pessoal" por onde tento provocar o debate sobre assuntos inadiáveis para Roraima e para o Brasil. Também edito o Podcast Direto ao Ponto, que vai ao ar todas as semanas e você também pode ouvir aqui.

Todos os posts

Posts recentes: