Ao contrário do que sustenta Jalser, informações da Cartas Marcadas são de acesso público

ANÚNCIO PMBV JULHO 2

Para se safar das acusações feitas pelo Ministério Público de Roraima, em representação à justiça, de que é o chefe de uma organização criminosa (Orcrim) que desviou mais de R$ 23,6 milhões da Assembleia Legislativa, o deputado Jalser Renier (Solidariedade), tem dito, inclusive em nota pública, que os procuradores de justiça do MPRR e do GAECO romperam com os critérios que regem os procedimentos judiciais e tornaram públicas informações de processos que correm em segredo de justiça. Mas isso não é verdade.

A verdade nua e crua é que todas as informações, depoimentos, delações, vídeos, provas, etc. da Operação Cartas Marcadas, que incriminam Jalser Renier, estão digitalizadas e tornadas de acesso público a quem quiser consultar no sistema Projudi, da Justiça de Roraima. Sendo assim, qualquer cidadão, jornalista ou pessoa interessada, tendo a permissão da justiça e com a devida senha de acesso (como se trata de informação de interesse público, qualquer pessoa pode solicitar acesso ao conteúdo), pode saber todos os detalhes do processo que desvenda o esquema chefiado por Jalser, segundo o MPRR. E eles são muitos e escabrosos.

O número do processo que trata da Ação Penal que investiga a prática de formação de quadrilha ou bando para desviar recursos públicos do Poder Legislativo estadual é 0003498-05.2016.8.23.0010. O referido processo já está em tramitação há 1.251 dias, conforme nos informa o Projudi, onde é possível ler, com bastante clareza, o nível de sigilo das informações: público.

No processo digitalizado no sistema Projudi, consta, por exemplo, o depoimento de um pedreiro que prestou serviço à Construtora Construtech, que, ao ser questionado pelo promotor e justiça do GAECO sobre os serviços prestados, afirma que era levado para a casa de Jalser para fazer trabalhos lá. A mesma construtora fazia serviços num posto de combustível de propriedade da senhora Cynthia Padilha, esposa do parlamentar. A propósito, a Construtech foi desativada. Já não funciona mais.

O processo que ainda está sob segredo de justiça (nível médio de sigilo) é o da Operação Royal Flush, ao qual pouquíssimas pessoas do Ministério Público tem acesso. Aliás, o Poder Judiciário de Roraima precisa explicar porque não deu ao processo da Royal Flush o mesmo nível de transparência dado ao da Cartas Marcadas, oferecendo acesso público ao material que está digitalizado, mas não foi disponibilizado no Projudi.

Print de tela que mostra que o processo da Operação Cartas Marcadas é de acesso público

Cabe ressaltar ainda que a Operação Royal Flush foi apenas um desdobramento da Cartas Marcadas. Ou seja, com esta segunda operação os procuradores conseguiram o restante das provas que faltava ao entrar na casa do deputado Jalser, em janeiro deste ano, e recolher todas as informações e materiais (documentos, carros e artigos de luxo como jóias, óculos e bolsas caríssimos), que comprovam tudo aquilo que foi dito pelas tenstemunhas já arroladas na Cartas Marcadas e que ofereceram o caminho das pedras para os promotores de justiça. Diga-se que todos os envolvidos na Cartas Marcadas foram condenados em primeira instância.

Sendo assim, cai por terra a afirmação de Jalser de que os procuradores do Ministério Público cometeram uma grave falha ao tornarem públicas informações sobre processos que correm em segredo de justiça. Aliás, essa tem sido a tática de todos os peixes graúdos alcançados pelas ações de combate à corrupção nos últimos tempos no Brasil: tentar desacreditar a PF e o MP. Mas, a tentativa de desqualificar o trabalho do Ministério Público certamente não vai colar. Essa história ainda promete ter muitos desdobramentos nos próximos dias. A conferir.

Leave your vote

Comentários

0 Comentários

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Send this to a friend