As mentiras que os candidatos contam – Parte 1

 As mentiras que os candidatos contam – Parte 1

O vice-pefeito e candidato da Teresa, Arthur Henrique, mesmo recebendo um salário líquido de 12.677,38 disse que não tem nenhum patrimônio

Compartilhe nosso conteúdo!

O tempo está corrido diante de tantas tarefas e da disputa eleitoral, tudo junto ao mesmo tempo agora. Por isso tem alguns assuntos que vou comentando com o decorrer do tempo. O tema deste post é a declaração de bens dos candidatos ou, como diz o título, as mentiras que os candidatos contam e a Justiça Eleitoral finge que acredita e deixa passar. Por exemplo: você acredita que o candidato Arthur Henrique tem ZERO bens? De fato, não dá para acreditar.

Mas foi isso que ele declarou à Justiça Eleitoral. Pode um servidor público, vice-prefeito e secretário municipal, que tem uma Remuneração Bruta de R$ 17.000,00 e líquida de R$ 12.677,38 (o que dá uma renda líquida anual de R$ 152.128,56 por ano) dizer que não tem bem nenhum? Foi o que disse Arthur Henrique à Justiça Eleitoral. Se um candidato não diz a verdade agora, vai falar a verdade depois de eleito?

Repito: além de vice-prefeito, o pupilo de Teresa ocupou os cargos de secretário de Tecnologia da Informação e de educação do Município. Mas o Arthurzinho não foi o único a informar inverdades ao TSE. (E ainda tem uma história escabrosa sobre formação(?) na USP que precisa ser esclarecida).

Demonstrativo do salário de agosto do candidato Arthur Henrique (MDB) – Fonte: Portal da Transparência da Prefeitura de Boa Vista

O pobre pupilo do menino de ouro

O empresário e deputado federal Ottaci Nascimento (Solidariedade), candidato de campanha mais rica deste pleito, disse ter bens que somam apenas R$ 48 mil. Vejamos: o salário mensal dos deputados federais é de R$ 33.763, sem se falar nos outros benefícios aos quais os parlamentares têm direito. Segure-se na cadeira e acompanhe:

Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap): o valor depende do estado de cada deputado. Os parlamentares de Roraima recebem a maior: R$ 45.612,53.

Despesas com saúde: os deputados têm atendimento no Departamento Médico da Câmara (Demed) e reembolsados das despesas médico-hospitalares realizadas fora desse departamento. Nada sai do seu bolso.

Cota gráfica: cada deputado tem direito à confecção de material de papelaria oficial (cartões, pastas, papel timbrado e envelopes) e a impressão de documentos e publicações. Ou seja, nada é pago com dinheiro do salário deles.

Ajuda de custo: no início e no fim do mandato, o parlamentar recebe ajuda de custo equivalente ao valor mensal da remuneração. Pasmem para essa informação: “a ajuda é destinada a compensar as despesas com mudança e transporte e não será paga ao suplente que for reconvocado dentro do mesmo mandato”. Fonte: Agência Câmara de Notícias

PS – Para o caro leitor não ficar mais indignado, eu deixei de citar algumas outras vantagens recebidas pelos parlamentares federais. Mas, se você for muito curioso, acesse a página da Câmara dos Deputados que detém essas informações.

Com tantas mordomias e benefícios e sendo empresário, como pode o cidadão vir com essa história de que seus bens somam apenas R$ 48 mil? Você acredita? Vai depositar sua confiança e seu futuro em quem começa mentindo desde a largada?

Meias verdades à esquerda

O candidato do PCO, Wilson Précoma, ex-procurador da União, portanto, servidor federal aposentado, também disse não possuir nenhum bem. ZERO patrimônio, segundo ele. Desculpa, senhor Wilson, mas não dá para acreditar.

Até o meu amigo Fábio Almeida (PSOL) incorreu nesse deslize de informar uma condição de quase pobreza. Fábio, que também é servidor federal, tem casa e carro próprios, afirmou possuir bens no valor de apenas R$ 18 mil. Chega a ser decepcionante se deparar com esse tipo de informação.

Proporcionalmente falando, parece até o caô aplicado pelo ex-senador Romero Jucá, em 2018, quando disse que seus bens somavam apenas R$ 195 mil e que recebia mesada dos filhos. A mentira foi tão grande, que ele, Jucá, acabou recebendo uma perna-mancada simbólica dos eleitores nas urnas.

E o Linoberg…

O candidato Linoberg Almeida (Rede), vereador e professor universitário, declarou ter bens que, juntos, somam R$ 578 mil. É mais do que Gerlane Baccarin (R$ 400 mil), Ottaci (R$ 48 mil), Fábio Almeida (R$ 18 mil) e Shaolyn Gomes (R$ 70 mil) juntos. Repito: estamos falando de um professor que está em seu primeiro mandato de vereador (e único, pois abriu mão da reeleição quase certa para disputar a prefeitura). Tire suas conclusões.

Os eleitores precisam ficar atentos às mentiras que os candidatos contam. Eu volto a analisar a declaração de bens dos demais candidatos num segundo texto.

Envie sua sugestão de pauta para o Blog

Digiqole ad

Comments

0 comments

Luiz Valério

http://luizvalerioblog.wordpress.com

Sou Luiz Valério. Cearense nascido em Juazeiro do Norte, Região do Cariri (CE). Tenho formação em Letras, curso Comunicação Social e atuo como professor e jornalista há 24 anos. Sou Pós-graduado em Comunicação Social, Assessoria de Imprensa e Novas Tecnologias. Atualmente faço uma Pós-graduação em Marketing Digital. Mantenho este blog há 16 anos.

Leia mais conteúdo

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Está no ar o Podcast Direto ao Ponto - Narrativas, entrevistas e histórias sobre a política, a cultura e os costumes da Amazônia. Por Luiz ValérioOUÇA NO SPOTIFY
+
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x