sábado , janeiro 25 2020
Início / Política Nacional / Bolsonaro e o Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhões: sancionar ou vetar?
bolsonaro_e_o_fundo_eleitoral_de_2_bilhoes
O presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhões já aprovado no Congresso Nacional. Bolsonaro disse que os papeis ainda não chegaram ao Palácio do Planalto, mas ele sinaliza com a possibilidade de uma sanção.

Bolsonaro e o Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhões: sancionar ou vetar?

O presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhões já aprovado no Congresso Nacional. Bolsonaro disse que os papeis ainda não chegaram ao Palácio do Planalto, mas ele sinaliza com a possibilidade de uma sanção.

Aprovado em setembro de 2019 pelo Congresso Nacional, o texto do Fundo Eleitoral foi aprovado prevê, entre outros pontos, exceções ao limite de gastos de campanhas.

O texto detalha como os recursos podem ser utilizados e critérios para análise de inelegibilidade. Desde a época, foi encaminhado para a sanção presidencial.

Apesar de ter dito que pretendia vetar a matéria, alegando que o fundo eleitoral provoca desigualdade entre os partidos e atrapalha nas corridas eleitorais, Bolsonaro afirmou que consultaria a Advocacia Geral da União sobre possíveis consequências do veto.

Essa é a razão de ele sinalizar também com a possibilidade de sanção, mesmo reconhecendo que isso pode desagradar a opinião pública.

Com informações da Agência Brasil

0 Reviews

Write a Review

Sobre Luiz Valério

Sou Luiz Valério. Cearense nascido em Juazeiro do Norte, no Cariri cearense. Tenho formação em Letras, curso Comunicação Social e atuo como professor e jornalista há 24 anos. Sou Pós-graduado em Comunicação Social, Assessoria de Imprensa e Novas Tecnologias. Atualmente faço uma Pós-graduação em Marketing Digital. Mantenho este blog há 16 anos.

Confira também

Hiran defende proibição de cobrança de tarifas em contas de benefícios de Programas Sociais

O deputado Hiran Gonçalves (Progressistas-RR) emitiu parecer favorável à aprovação da proposta, cujo objetivo é proibir a cobrança de quaisquer tarifas nas contas bancárias utilizadas para recebimento de benefícios pagos em decorrência de inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (Cadúnico).