‘Esta foi a primeira vez que ouvi de um jornalista que meu pai era uma figura ardilosa’, diz Danielle Cunha

A publicitária Danielle Cunha, que segundo o Correio Braziliense, é apaixonada pelo pai, o ex-deputado Eduardo Cunha, não gostou muito quando questionei, durante nossa entrevista virtual, se o livro “Tchau Querida – diário do impeachment” era uma tentativa de fazer um reposicionamento de imagem/marca do seu pai, depois da perda do mandato e da prisão sob acusação de corrupção. A observação de que seu pai foi um personagem “ardiloso” no processo de impeachment de Dilma também causou desagrado à publicitária.

Na conversa que manteve com este editor, Danielle acusou o ex-juiz federal Sérgio Moro de ter tido “uma atuação criminosa” na condução da Força-Tarefa da Lava Jato. Sobre o livro “Tchau, querida”, ela disse que a obra não é oportunista e “foi lançada no momento em que ficou pronta”. Segundo a filha de Cunha, a obra tem a finalidade de passar a limpo aquele capítulo da história do Brasil sem poupar nem mesmo seu pai, que foi o personagem central dos fatos, como também é da obra.

Está gostando do nosso conteúdo? Compartilhe nas suas redes!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
LUIZ VALÉRIO
LUIZ VALÉRIO

Jornalista e Podcaster. Este Blog, que edito há 18 anos, é uma singela contribuição para a sociedade. É uma espécie de "jornal pessoal" por onde tento provocar o debate sobre assuntos inadiáveis para Roraima e para o Brasil. Também edito o Podcast Direto ao Ponto, que vai ao ar todas as semanas e você também pode ouvir aqui.

Todos os posts

Posts recentes: