Jornal de Jucá defende Fake News e publica difamação contra este jornalista

Campanha Prefeitura Julho (1)

O jornal da família do senador Romero Jucá, o Roraima em Tempo, além de afeito à publicação de matérias falsas, também costuma incorrer em crime de calúnia difamação a mando do próprio político, que se considera intocável. Em vez de reconhecer seu erro por ter publicado uma Fake News sobre a suposta inelegibilidade da governadora Suely Campos (Progressistas), e corrigi-lo, como fazem os veículos respeitáveis, o panfleto diário do grupo jucariano preferiu partir para o ataque contra o jornalista que identificou e denunciou a farsa.

Numa nota publicada a mando do próprio Jucá em seu jornal panfletário, este blogueiro foi difamado e acusado de cobrar para fazer elogios a políticos. Nada mais inverídico. Em nenhum momento, o jornal de Jucá reconhece o grave erro que cometeu ao informar maldosa e erroneamente que Suely está inelegível, apenas para prejudicar sua adversária política e induzir seus parcos leitores ao erro. Nada de corrigir a barrigada desonesta e proposital que cometeu, como mandam as boas práticas jornalísticas.

Como criança birrenta, que parte para os beliscões, chutes e ponta-pés quando se vê pega na mentira, os (ir)responsáveis pelo jornal jucariano preferiram caluniar, de forma baixa e leviana, quem identificou o erro e o denunciou publicamente, no caso este blogueiro. Uma nota publicada no jornal do senador Jucá tenta me desqualificar, com afirmações que descambam para a calúnia e difamação, quando diz que este jornalista, há muito tempo aqui estabelecido, cobra pela publicação de elogios e opiniões. Os (ir)responsáveis pelo jornal panfletário serão devidamente acionados na justiça para que provem o que seu panfleto diário publicou.

campanha julho cathedral

O jornaleco de Jucá, ao afirmar que este blog tem um “baixíssimo número de leitores e compartilhamentos de seus textos (que não são fake news, mas também não recebe likes)” – negrito e grifos meus – admite, por tabela, que publicou uma notícia falsa para atrair leitores e likes, além, é claro, de satisfazer aos interesses políticos do seu dono. No mais, quem é afeito a pagar para que jornalistas o  bajulem e destruam a imagem e reputação dos seus adversários políticos é o senador Jucá.

Todos nós, que moramos em Roraima – o público de televisão de rádio, principalmente – sabemos como se comportam as emissoras de rádio e televisão do clã Jucá, bajulando seu proprietário e massacrando seus opositores, inclusive com o uso de Fake News, como no caso a que se refere este texto. Ele, Jucá, segue à risca as práticas políticas e comunicacionais do seu mentor e padrinho, o velho ex-senador José Sarney, que manteve o Maranhão escravo da pobreza e da miséria por longas décadas e que fazia uso de veículos de comunicação encabrestados para manter sua hegemonia política.

Lembro-me bem que em meados de 2006, depois de sair da Folha de Boa Vista, fui orientado por um grande amigo, já falecido, que tinha ligações profissionais com o clã Jucá, a deixar meu currículo na Rádio Equatorial FM, àquela época recém adquirida pela família do político. Depois de relutar um pouco, aceitei o conselho do amigo e deixei meu currículo na emissora. De imediato, fui chamado para uma entrevista de emprego. Passado esse primeiro momento, fui encaminhado para uma conversa com a direção de jornalismo que me deu a seguinte orientação: aqui temos que falar bem do nosso chefe, a qualquer custo, e detonar os adversários políticos dele nem que se tenha que inventar notícia. Foi suficiente para eu sair dali e nunca mais voltar.

Também é prática dos veículos de comunicação da família Jucá, empregar seus jornalistas (ou parte significativa deles) em instituições e órgãos públicos, como a Assembleia Legislativa (onde há hoje cerca de 10 profissionais de jornalismo que servem aos veículos da família Jucá lotados) e prefeitura, para desembolsar menos dinheiro no pagamento do salário seu salário e reduzir os encargos trabalhistas das suas empresas. Dessa forma, metade do salário acertado é pago em carteira e a outra metade é custeado com dinheiro público. Essa é uma prática recorrente das empresas de mídia jucarianas

Quem acompanha este blog e meu trabalho, nos diversos meios sabem do meu compromisso com a busca da verdade. Doa a quem doer. Sempre foi assim e sempre será. Em relação aos veículos de jucá, infelizmente, não se pode fazer a mesma afirmação. E, não se engane, senador Jucá, o público sabe disso!

Leave your vote

Comentários

0 Comentários

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Send this to a friend