Municípios do interior se preparam para decretar estado de emergência

inundações no interior de Roraima
Famílias da região do projeto de assentamento Tatajuba, no Cantá, sofrem com a cheia do Rio Cachorro

A Defesa Civil Estadual tem acionada com cada vez mais frequência, em diligências para socorrer pessoas ilhadas em decorrências da cheia dos rios no Interior de Roraima. Mas, pelas previsões da meteorologia, as inundações ocorridas até aqui nos municípios do Cantá, Bonfim, São Luiz, Baliza, Rorainópolis e Caroebe, por exemplo, são apenas o começo. Conforme o coordenador da Defesa Civil, coronel Cleudiomar Ferreira, a previsão é que chova 400 milímetros por mês nos próximos meses. Desde a última grande cheia do Rio Branco, em 2011, não se via tantos pontos de inundações em Roraima, como neste começo de quadra chuvosa de 2021.

Conforme a reportagem conseguiu apurar, o prefeito do Cantá, André Castro (Progressistas) deve decretar estado de emergência ainda nesta quarta-feira (19 de maio), devido ao fato de que o nível do Rio Cachorro não para de subir.

Até esta terça-feira (18), outras 1.500 pessoas, aproximadamente, estavam isoladas na região de Vilhena, no município de Bonfim. Caso a situação se complique, com mais famílias atingidas pelas chuvas, o prefeito Joner Chagas também deve decretar estado de emergência no município fronteiriço com a Guiana. Relatórios estão sendo preparados para que a mesma medida seja adotada nos municípios de Caracaraí, Caroebe e Rorainópolis.

No Sul do Estado a preocupação fica por conta da subida do nível do Rio Anauá, que tem provocado o interrompimento de estradas na região da Serra Dourada, uma das mais produtivas de Caracaraí, mas cujo acesso se dá por São Luiz, e também na Vila Martins Pereira, em Rorainópolis, onde a BR 174 já chegou a ser invadida pela água de domingo para segunda-feira (17 de maio). Ainda em Rorainópolis, o Rio Juaperi transbordou, à altura da Vila Nova Colina, também deixando a rodovia federal intrafegável no sentido Manaus.

O Corpo de Bombeiros Militar de Roraima e a Defesa Civil Estadual já pediram o apoio da 1a. Brigada de Infantaria de Selva para socorrer as famílias vítimas das inundações nos municípios interioranos 

Até aqui, a região do Projeto de Assentamento Tatajuba, no município do Cantá, tem sido a mais afetada pelas chuvas. O nível do Rio Cachorro subiu muito no último final de semana, deixando dezenas de famílias isoladas. A BR 431 foi interditada, pois uma lâmina d’água lavava a estrada até a manhã de segunda-feira (17). A orientação da Defesa Civil é para que os moradores da região evitem trafegar pela área, pois o risco de ser levado pelas águas é grande.

De acordo com o coordenado da Defesa Civil estadual, até esta terça-feira, Boa Vista não havia apresentado grandes problemas no que diz respeito aos alagamentos. Os pontos de maior preocupação ainda são as áreas já propícias às inundações, como a chamada Vila Vintém, localizada na região das olarias, logo depois da Ponte dos Macuxis, e a área próxima do Rio Branco, depois do distrito industrial.

A região da Capital onde ficava o antigo Beiral, agora reurbanizada e transformada no Parque Rio Branco pela Prefeitura de Boa Vista, deixou de ser motivo de preocupação. As famílias que moravam de forma mais precária no local foram removidas e o trabalho de infraestrutura feito para a construção do Mirante mudou a paisagem urbana do lugar, evitando até aqui os alagamentos históricos. 

As ações da Defesa Civil estadual, amparada pelos brigadistas nos municípios interioranos, começaram já no dia 18 de março, quando os seus integrantes foram acionados para ajudar famílias isoladas no município de São Luiz. Nos últimos dias, vieram pedidos de socorro de moradores das vicinais 04 e 34 de Caroebe, onde as águas do Rio Caroebe subiram muito e foi preciso fazer a baldeação dos produtores de banana. Também houve a necessidade de socorrer colonos na vicinais 26, 28, 29 e 30 de São João da Baliza pelo mesmo motivo. No último domingo, houve chamados para resgatar animais que ficaram ilhados na zona rural de Rorainópolis.

Coronel Cleudiomar Ferreira e o comando do Corpo de Bombeiros já pediram a ajuda da 1a Brigada de Infantaria de Selva nas ações de socorro às famílias atingidas pelas chuvas. A preocupação é que se confirmem as chuvas na quantidade que os serviços de meteorologia preveem para os próximos dias, numa média de 400 milímetros por mês. Tudo indica que se os últimos dias já foram de trabalho intenso para a Defesa Civil, os dias vindouros guardam muito mais adrenalina para os homens do Corpo de Bombeiros Militar de Roraima, que têm como missão salvar vidas, estejam elas onde estiverem.

Está gostando do nosso conteúdo? Compartilhe nas suas redes!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
LUIZ VALÉRIO
LUIZ VALÉRIO

Jornalista e Podcaster. Este Blog, que edito há 18 anos, é uma singela contribuição para a sociedade. É uma espécie de "jornal pessoal" por onde tento provocar o debate sobre assuntos inadiáveis para Roraima e para o Brasil. Também edito o Podcast Direto ao Ponto, que vai ao ar todas as semanas e você também pode ouvir aqui.

Todos os posts

Posts recentes: