PANDEMIA – Governo prevê vacinação em 5 dias após aval da Anvisa

O governo federal deu um hoje um prazo para iniciar a campanha nacional de vacinação contra a covid-19. Em resposta a um questionamento do STF (Supremo Tribunal Federal), a AGU (Advocacia-Geral da União) informou a Corte sobre a previsão do Ministério de Saúde de começar a vacinar grupos prioritários cinco dias após ter o aval da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e a entrega das primeiras doses de um imunizante certificado pela agência.

A pasta, entretanto, segue sem dar uma data específica para iniciar a vacinação, condicionando isso a qual vacina será a primeira a ter uma aprovação de uso emergencial pela Anvisa. Atualmente, a vacina da Pfizer/Biontech e a CoronaVac são as principais candidatas a conseguirem a autorização e terem doses à disposição, mas nenhuma das duas fez a solicitação ao órgão federal.

O Instituto Butantan anunciou ontem que decidiu atrasar a divulgação dos resultados preliminares de eficácia da vacina CoronaVac. A ideia agora é submeter à Anvisa, em até dez dias, os dados da análise final da fase 3 do estudo.

Com questões ainda sem respostas, médicos têm criticado a politização em torno do possível medicamento no Brasil, dizem que atualmente estamos “no escuro” com relação ao plano de vacinação apresentado pelo governador João Doria (PSDB), em São Paulo, e afirmam que a guerra pelo imunizante é “absurda”.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou hoje, em entrevista ao Brasil Urgente, que vai dar sinal verde à compra e à aplicação de todas as vacinas contra o novo coronavírus que forem autorizadas pela Anvisa, mas que ele particularmente não vai tomar nenhuma. “Eu não vou tomar vacina e ponto final. Minha vida está em risco? O problema é meu”, disse o presidente.

Enquanto isso, no Congresso, o relator da MP (Medida Provisória) do consórcio global de vacinas contra covid-19, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), disse que vai incluir em seu relatório um dispositivo para determinar que pessoas que tomem o imunizante assinem um termo de consentimento para isentar a União de responsabilidades por eventuais efeitos colaterais. A ideia foi defendida ontem pelo presidente.

Fonte: UOL | Imagem de fernando zhiminaicela por Pixabay

Envie sua sugestão de pauta para o Blog

Conversar no WhatsApp

#Covid19emRoraima #SaúdePública #VacinacontraCovid #Coronavírus #GovernoFederal #PandemiadeCoronavírus

Está gostando do nosso conteúdo? Compartilhe nas suas redes!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
LUIZ VALÉRIO
LUIZ VALÉRIO

Jornalista e Podcaster. Este Blog, que edito há 18 anos, é uma singela contribuição para a sociedade. É uma espécie de "jornal pessoal" por onde tento provocar o debate sobre assuntos inadiáveis para Roraima e para o Brasil. Também edito o Podcast Direto ao Ponto, que vai ao ar todas as semanas e você também pode ouvir aqui.

Todos os posts

Posts recentes: