Prefeitura anuncia desapropriação de terreno para construção de Usina Solar em Boa Vista

Campanha Prefeitura Julho (1)

A prefeita Teresa Surita determinou a publicação de decreto de desapropriação da área na Gleba Cauamé, com depósito judicial no valor de R$ 14.619,00 com o objetivo de garantir a a continuidade das obras da usina de energia solar em Boa Vista. Conforme a gestora, a usina vai ajudar a conservar o meio ambiente e economia de, pelo menos, R$ 127 milhões aos cofres públicos durante os próximos 25 anos.

Teresa esclareceu que a compra não chegou a ser efetuada e nenhum valor foi pago pelo município. A atitude da prefeitura é baseada na decisão judicial e por trazer um fato novo que é o valor declarado pelo proprietário Eugênio Thomé ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), quando disputou a última eleição municipal, e valores utilizados no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Para a desapropriação, o município poderá fazer um depósito judicial no valor de R$ 14.619,00. O terreno em questão possui 100 mil metros quadrados e, ao final da ação, a Justiça de Roraima determinará o valor real que deverá ser pago pela aquisição do terreno, levando em consideração a valorização imobiliária, empreendimentos próximos, declarando a licitude ao processo, evitando danos ao erário e prejuízos ao proprietário.

campanha julho cathedral

Levando em consideração que os equipamentos de energia solar têm garantia de 25 anos, a Prefeitura de Boa Vista poderá economizar até R$ 127 milhões dos impostos dos contribuintes com o funcionamento pleno dos equipamentos apenas durante o período de garantia. É uma economia anual de cerca de R$ 5,1 milhões nas contas públicas.

A Prefeitura vem realizando, nos últimos anos, vários investimentos nesta área e este será o sétimo equipamento para geração de energia solar, e o maior deles, com potência de 5.000 kW. Outras unidades de geração de energia solar já estão em pleno funcionamento no Palácio 9 de Julho, Mercado Municipal, Terminal Luiz Canuto, estacionamento da Secretaria Municipal de Serviços Públicos e Comunidade Indígena Darora. Todas elas juntas têm gerado economia de mais de R$ 155 mil por mês.

Para a procuradora do Município, Marcela Queiroz, a medida está sendo tomada visando garantir a transparência no processo de definição do valor a ser pago e para não prejudicar a viabilidade das obras e dos benefícios que a usina trará ao município.

“Existem estudos técnicos de viabilidade econômica e técnica que garantem que, pela localização do terreno dentro do perímetro urbano, próximo à subestação de energia – evitando maiores gastos pelo poder público, e pelo fato de a região estar recebendo projetos e outros investimentos relacionados à energia, houve a valorização da região onde se dará o empreendimento”, explicou.

“A prefeitura, adotando essa medida, trará maior transparência ao processo de definição do valor, uma vez que a Justiça de Roraima poderá definir o valor real e justo a ser pago pelo município. Também é importante esclarecer que nenhum valor foi pago até o momento ao proprietário. Importante frisar que a área em questão não se trata meramente de área rural e que várias condições influenciam o valor de mercado. No processo judicial tudo será esclarecido e levado em conta pela justiça”, explicou Marcela.

O local foi escolhido em razão de ser a decisão mais econômica para receber o investimento, uma vez que, estando próxima da subestação e da linha de transmissão de 69kV, não será necessária construção de rede de alta tensão o que geraria novos custos ao município, além de a área ser protegida contra alagamentos sem a necessidade de maiores intervenções e evitando danos ambientais.

O processo foi instruído por avaliação de mercado e por estudos de viabilidade econômicas e técnicas. Dentre os vários investimentos energéticos em Boa Vista que estão sendo realizados naquelas proximidades, estão: usina térmica da Oliveira Energia, SO ENERGY, AGGREKO e o projeto em fase de implantação da ENEVA-UTE Jaguatirica II.

Em 2019, a ANEEL promoveu um leilão de energia e todos os participantes apresentaram projetos para suprimento de energia nesta região para implantação de sua estrutura vislumbrando as vantagens da proximidade com a SE – Boa Vista, o que ocasionou a valorização de todos os terrenos da região.

Sindicância: Paralelamente ao decreto de desapropriação, a prefeita Teresa também determinou abertura de sindicância para análise de todos os passos do processo de aquisição do terreno.

Fale com o editor

Leia mais conteúdo

 358 total views,  1 views today

Leave your vote

Comentários

0 Comentários

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Send this to a friend