Rosa Weber vota favorável a pedido do Estado para que União divida despesas com imigrantes

A União deve arcar com parte das despesas decorrentes do fluxo imigratório em Roraima. Esse é o entendimento da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), relatora da ação em que o governo roraimense pede que a União contribua com metade dos gastos feitos para atender os venezuelanos que atravessam a fronteira. A expectativa é que o julgamento seja concluído na próxima sexta-feira (9 de outubro).

A ação foi ajuizada pelo Estado de Roraima devido ao fato de que o governo estadual custeia sozinho áreas importantes como saúde e educação dos imigrantes. De acordo com o procurador do Estado, Edival Braga, os efeitos financeiros, econômicos e sociais, oriundos da migração venezuelana atingiram Roraima de forma mais contundente que o restante do país.

“Fui designado, com o procurador Marcelo Mendes, para atuar na ação pelo doutor Ernani Batista, que à época era procurador-geral do Estado. Visitei os abrigos de venezuelanos em Pacaraima e Boa Vista e demonstramos para o Supremo que, apesar dessas estruturas, quem supria e abastecia de medicamentos era o Governo de Roraima” disse.

Após esse primeiro momento, houve uma audiência onde se buscou definir o valor que o Estado entendia que era o necessário naquele momento. Segundo Braga, os frutos financeiros estão vindo agora e o Estado vai apurar os valores. “Além dos repasses constitucionais, a União vai arcar com metade das despesas, o que dará um suporte financeiro importante para Roraima. Vamos aguardar a finalização da votação”, esclareceu o procurador.

Durante o julgamento, os ministro do STF vão analisar o pedido que consiste na imediata transferência de recursos adicionais da União, para suprir custos que o Estado vem suportando com a prestação de serviços públicos aos imigrantes oriundos da Venezuela estabelecidos em território roraimense.

Outros dois pedidos já foram apreciados. O primeiro, para obrigar a entidade a promover medidas administrativas na fronteira, foi objeto de acordo entre as partes, que, no ponto, resolveu parcialmente o mérito da causa com fundamento no Artigo 487, III, “b” do CPC.

O segundo, para fechar temporariamente a fronteira entre o Brasil e a Venezuela, foi indeferido. Reapresentado pelo autor na forma de pedido cautelar, foi novamente indeferido.

Envie sua sugestão de pauta para o Blog

Conversar no WhatsApp

#Venezuela #ImigraçãoemRoraima #AntônioDenarium #GovernodeRoraima #CriseImigratória

Está gostando do nosso conteúdo? Compartilhe nas suas redes!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
LUIZ VALÉRIO
LUIZ VALÉRIO

Jornalista e Podcaster. Este Blog, que edito há 18 anos, é uma singela contribuição para a sociedade. É uma espécie de "jornal pessoal" por onde tento provocar o debate sobre assuntos inadiáveis para Roraima e para o Brasil. Também edito o Podcast Direto ao Ponto, que vai ao ar todas as semanas e você também pode ouvir aqui.

Todos os posts

Posts recentes: