Sobre jornalismo online e webjornalismo

Com o surgimento da Internet e o seu aperfeiçoamento, a máxima “nós escrevemos, vocês lêem” ficou para trás. Os veículos de comunicação de massa convencionais – os impressos principalmente – estão tendo que se repensar enquanto empresas produtoras de conteúdo, uma vez que o suporte papel está sendo preterido em relação à publicação online. Os leitores jovens já preferem ler os veículos noticiosos da grande rede.

A rede mundial de computadores criou um novo conceito de jornalismo (antes existiam o jornalismo impresso, o radiojornalismo e o telejornalismo). No final do século passado, as grandes corporações de mídia – nacionais e estrangeiras – passaram a praticar o jornalismo online, que com o aperfeiçoamento da plataforma Internet se transformou no moderníssimo e multimidiático webjornalismo

Para poder ser considerado webjornalismo e não apenas jornalismo online é preciso que a notícia produzida pelo webjornalista faça a integração dos recursos multimídia – texto, som, áudio e vídeo – proporcionando ao leitor uma leitura não linear do produto final. Sem esses elementos multimídia, o jornalismo feito na Internet se resume ao simples jornalismo online, ou seja a mera transposição do texto do suporte papel para a tela do computador, via Internet.

Outros elementos podem e devem ser acrescidos à webnotícia, como flash e ilustrações em 3D para situações de catástrofes e acidentes ou para os casos em que não existe documentação em vídeo e flash e gráficos, que podem ser utilizados em notícias onde há muitas informações sobre questões técnicas. Não esquecendo aqui do hipertexto, que oferece ao leitor a oportunidade de se aprofundar no assunto a partir de leituras relacionadas.

Partindo desse princípio, podemos afirmar que nenhum dos sites de notícia de Roraima pratica o webjornalismo ou produz a webnotícia. Nem mesmo as versões online dos jornais impressos  – Folha de Boa Vista e Roraima Hoje – que fazem apenas a transposição do conteúdo impresso para a web. Como ia dizendo, os sites de notícia roraimenses praticam simplesmente o jornalismo online, alguns de forma ainda muito rústica. Em nenhum deles podemos encontrar a integração de recursos multimídia, que pode oferecer ao leitor uma visão global do acontecimento. E muito menos hiperlinks que levem a outras fontes de informação. Os veículos online locais são narcisistas. Bobamente narcisistas.

O site Fontebrasil, que é o de maior tráfego, ainda apresenta uma formatação gráfica tosca. Tem um designer não muito atraente. Mas é de longe o mais polêmico.

O Roraima em Foco, é um site com bastante informação, mas também não consegue praticar o webjornalismo propriamente dito. Além do mais se mostra poluído graficamente.

Na mesma linha segue o BVnews, que tem um designe mais moderno, clean, mas é igualmente limitado no que diz respeito aos recursos multimídia.

O BV Roraima, idem. O layout é pouco atraente. Muito pouco, por sinal.

O Jornal do Rádio veio como uma promessa interessante de fazer a integração texto/áudio – mas ficou apenas no primeiro.

Anunciado com certo estardalhaço, o recém lançado Jota7.com, que conta com um grupo seleto de jornalistas locais, muitos dos quais amigos e colegas deste blogueiro, também frustrou as expectativas. Principalmente pelo fato da sua Redação ser composta em grande parte por jornalistas de televisão. Ou seja, deveria haver no mínimo vídeos a ilustrar as matérias. Com o slogan: “o novo portal de notícias de Roraima”, o Jota7.com não tem característica nenhuma de portal, mas de um simples site.

Outro aspecto dos sites noticiosos roraimenses é a falta completa e absoluta de interatividade entre a Redação e o público leitor. Ou seja, no jornalismo online roraimense a máxima “nós escrevemos, vocês lêem” ainda impera.  

“No webjornal a relação [de interatividade] pode ser imediata. A própria natureza do meio permite que o webleitor interaja de imediato. Para que tal seja possível, o jornalista deve assinar a peça com seu endereço eletrónico [sic, grafia original no português de Portugal]. Dependendo do tema, as notícias devem incluir um “faça um comentário” de forma a poder funcionar como um fórum. No webjornalismo a notícia deve ser encarada como o princípio de algo e não um fim em si própria. Deve funcionar como um “tiro de partida” para os leitores”, diz o comunicólogo João Messias Canavilhas, da Universidade da Beira Interior, Portugal.

Daí, percebe-se que falta muito ainda para que possamos afirmar que se pratica o webjornalismo em Roraima.

PS – Ao contrário da diferenciação do conceito de jornalismo online e web jornalismo feita neste post, há autores que tratam os dois como se fossem uma coisa só, sem diferenciação.

Leave your vote

Digiqole ad

Comentários

0 Comentários

Luiz Valério

http://luizvalerioblog.wordpress.com

Sou Luiz Valério. Cearense nascido em Juazeiro do Norte, Região do Cariri (CE). Tenho formação em Letras, curso Comunicação Social e atuo como professor e jornalista há 24 anos. Sou Pós-graduado em Comunicação Social, Assessoria de Imprensa e Novas Tecnologias. Atualmente faço uma Pós-graduação em Marketing Digital. Mantenho este blog há 16 anos.

Posts Relacionados

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Send this to a friend