Uma semana depois de ser preso por posse ilegal de arma, vereador Klebinho se envolve em atrito com PM

Pouco depois de uma semana após ser preso na Operação Dejavu, da Polícia Federal, por posse ilegal de arma de fogo, o vereador por Boa Vista, Kleber Siqueira (Solidariedade), o Klebinho, entrou em atrito com um policial militar, durante fiscalização que interrompeu uma festa clandestina com cerca de 300 pessoas na madrugada deste sábado (24). A informação é do portal de notícias G1 Roraima. Klebinho não se manifestou sobre o entrevero.

A Operação Dejavu investiga a prática de crime eleitoral (compra de votos) pelo vereador Kleber Siqueira, na eleição de 2020, quando ele se elegeu vereador com 1.629, na 11a. colocação entre os 23 parlamentares que conquistaram uma cadeira na Câmara Municipal de Boa Vista naquele pleito. Para ser liberado pela PF, o parlamentar pagou fiança de R$ 32 mil.

O Comandante geral da Polícia Militar, Francisco Xavier, relatou que o vereador havia posicionado o carro de forma irregular na via pública, com o objetivo de impedir que os veículos da fiscalização circulassem no local.

Um vídeo que circula em grupos de mensagem no WhatsApp mostra Klebinho em pé, sem máscara, próximo ao policial. O parlamentar se dirige a uma pessoa e diz: “Vai, tira lá o meu carro que o cara [ o policial ] quer que eu tire.” O policial então diz: “Eu quero que tire”. O vereador então coloca uma das mãos no bolso, e pergunta “quer tirar lá?” apontando para o carro.

O comandante da Polícia Militar de Roraima disse que o vereador não foi preso. “João Kleber se recusou a tirar [o carro] no primeiro momento, mas posteriormente entrou no veículo e saiu em disparada, não dando tempo para que fosse feito qualquer autuação em relação a conduta dele”, disse.

Conforme anotou o G1 Roraima, Klebinho também é conhecido como réu pela “Operação Escuridão” da PF, deflagrada em 2018, quando foi preso sob acusação de participar de um esquema que desviou cerca de R$ 70 milhões em recursos públicos do sistema penitenciário para o pagamento de propinas e enriquecimento ilícito dos reais proprietários do negócio, Guilherme Campos (filho da então governadora Suely Campos) e o deputado Renan Filho (PRB).

Está gostando do nosso conteúdo? Compartilhe nas suas redes!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
LUIZ VALÉRIO
LUIZ VALÉRIO

Jornalista e Podcaster. Este Blog, que edito há 18 anos, é uma singela contribuição para a sociedade. É uma espécie de "jornal pessoal" por onde tento provocar o debate sobre assuntos inadiáveis para Roraima e para o Brasil. Também edito o Podcast Direto ao Ponto, que vai ao ar todas as semanas e você também pode ouvir aqui.

Todos os posts

Posts recentes: